Blog

O novo Plano Urbanístico do Entorno de Viracopos

29 de setembro - 2015

Segundo o prefeito de Campinas, Jonas Donizette, o novo Plano Urbanístico do Entorno do Aeroporto Internacional de Viracopos será enviado à Câmara Municipal até o final de outubro e, de acordo com as novas regras de ocupação para a área de influência do aeroporto, a permanência dos moradores na região está garantida.

O projeto será apresentado em substituição do plano local de gestão da Macrozona 7 (MZ-7) porque a área de influência do aeroporto, disse Jonas, é maior que a atual delimitação daquela macrozona.

O plano será o único instrumento de planejamento urbano que será enviado à Câmara antes dos projetos do novo Plano Diretor e da nova Lei de Uso e Ocupação do Solo, previstos para janeiro, pois definir as regras para a região do aeroporto, de acordo com o prefeito, é urgente, para que se possa atrair investimentos e estabelecer novas regras de ocupação do solo, com espaços para moradias e áreas comerciais, industriais e de serviços necessárias ao aeroporto.

Os novos estudos reduziram o impacto da curva de ruído em 52%, tanto em função das mudanças ocorridas no projeto de ampliação do aeroporto quanto na tecnologia aeronáutica, que tornou as aeronaves menos barulhentas, isso garantiu a permanência da população na área, de acordo com o secretário de Planejamento, Fernando Pupo. No estudo anterior, a estimativa era de que 7 mil famílias teriam que se mudar por causa do barulho.

O prefeito disse que três pontos estão sendo fundamentais na definição das regras de ocupação do entorno do terminal aeroportuário: a preservação total das nascentes do Rio Capivari; o menor índice de remoção de famílias e a qualificação para a logística naquela área. “Isso irá valorizar muito as terras e as pessoas poderão vendê-las, com ganhos”, afirmou.

Três estudos contratados pela Aeroporto Brasil Viracopos (ABV), a concessionária que administra o aeroporto, foram levados em consideração para atender exigências legais da atividade aeroportuária: o Plano de Zoneamento de Ruído Aeronáutico do Aeroporto, Planos de Zona de Proteção do Aeroporto e Área de Segurança Aeroportuária.

Esses estudos foram entregues à Prefeitura, que com as exigências legais de ocupação do entorno dos sítios aeroportuários, está trabalhando em um plano que irá, segundo Pupo, definir regras para o desenvolvimento daquela região, compatibilizando os diferentes usos da terra.

As regras de uso do solo estarão baseadas especialmente no Plano de Zoneamento de Ruído (PZR) do aeroporto, que visa compatibilizar o desenvolvimento das diversas atividades urbanas ou rurais ali situadas com os níveis do ruído aeronáutico. A ocupação permitirá o uso do solo misto: residências, comércio, indústria e especialmente a atividade de logística estarão juntas no novo entorno.

Para a definição, a empresa contratada pelo aeroporto para fazer o plano fez ensaios para cinco faixas de ruído, para a atual pista de pouso e decolagem, e para as demais três pistas que serão construídas no período de 30 anos de concessão.

Fonte: Correio Popular, 26 de Setembro de 2015

Leave a Reply